ESTIVA GERBI- SP

  Em meados de 1750, habitava o Vale do Rio Mogi Guaçu os índios da tribo Tupy Guarani. Com a chegada dos jesuítas, os índios foram dominados e catequizados, cedendo seu espaço ao homem branco.

   Em 1850, o Vale do Rio Mogi Guaçu já era habitada por muitos agricultores e alguns sitiantes e fazendeiros, que prosperavam com as lavouras de algodão, café e milho, além da agropecuária leiteira.

Aos poucos, o povoado foi se transformando em bairro, batizado de São José, tornando-se

ponto de encontro dos moradores, comerciantes e viajantes.

     No entanto, um imprevisto surgiu na construção da ferrovia: quando o assentamento dos trilhos chegou nas proximidades do Rio Oriçanga, os trabalhadores tiveram que superar uma área totalmente alagada. Assim, os homens foram obrigados a estivar, ou seja, entrar na lama com galhos, capim e folhas, marcando os locais mais adequados para o aterro, a fim de não alterar o percurso da ferrovia.      Do verbo estivar, nasceu o nome

da estação de trem do bairro: Estiva.

   Uma família vinda da cidade de N.S. de amparo chegava ao bairro, comprando uma propriedade próxima a estação de trem. O chefe daquela família, Lourenço Gerbi foi o responsável, anos depois, por transformar o bairro São José, em um distrito industrial próspero. A cidade foi batizada de Estiva Gerbi em homenagem a família de Lourenço Gerbi, e aos trabalhadores que construíram a estação de trem, que muita prosperidade trouxe.

CONHEÇA OS PONTOS TURÍSTICOS

Fica logo na entrada da cidade e atrai milhares de católicos todos os meses apara a celebração das missas de cura e libertação. “Este Santuário permitiu que a Estiva pudesse fazer parte do turismo religioso. São ônibus e mais ônibus que chegam aqui, na cidade, todo início de mês trazendo os devotos. E também será graças a este Santuário que estamos tentando colocar Estiva Gerbi como um dos pontos de partida do Caminho da Fé.

Santuário da Rosa Mística

   Com uma das melhores pistas do estado de São Paulo, a Arrancada acontece todas as quartas-feiras. A cada dois meses também ocorre o ‘Rachão Noturno’ com a média de 80 carros na disputa. O local está preparado para receber um público de duas mil pessoas.

Feira Noturna

1/13

1/7

Vitrine de Negocio

1/1

Sabor da Roça

Rua Dom Pedro,55-Centro.

(19)3896-9999

Sabor da Roça

Rua Dom Pedro,55-Centro.

(19)3896-9999

Sabor da Roça

Rua Dom Pedro,55-Centro.

(19)3896-9999

Sabor da Roça

Rua Dom Pedro,55-Centro.

(19)3896-9999

© 2019 Caminhos da Região - Todos os Direitos Reservados.

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram